Maldaroth

humano guerreiro

Description:

Humano, 31 anos. Com 1,79m de altura, 80kg.
Cabelos e olhos castanhos. Pele marcada pelo sol. Sua armadura é feita de Placas Bruneas de um azul acinzentado e detalhes em azul marinho e branco. Não usa proteção na mão esquerda, nunca cobre sua cicatriz. Com habilidade em lâminas pesadas, geralmente usa sua Cimitarra – Brisa Negra.
Defende os seus, com seu escudo pesado.
Fluente na lingua dos Gigantes.

Bio:

Maldaroth, O Esquerdo

Hoje Maldaroth está cansado, sua motivação permanece, seu espírito reflete bravura; é seu corpo que não já não é o mesmo. Entendam, ele não está velho, com seus 31 anos de vida, deveria estar no ápice de suas forças. Quiçá os deuses não o tivessem abandonado.
Ele nasceu em Faviliums, ou pelo menos de lá suas primeiras lembranças. Órfão desde os 4 anos, deveria lembrar alguma coisa sobre seus pais, mas não. Porém lembra-se muito bem de seu irmão Reynoroth, 13 anos mais velho.
Reynoroth fora sua figura paterna: cuidou do pequeno Maldaroth do jeito que pode, furtando quando necessário, esmolando até completar 19 anos, quando fora aceito como aprendiz de ferreiro. Vivia exclusivamente para seu irmão caçula.
Reynoroth nunca falava sobre seus falecidos pais, e Maldaroth não incomodava seu irmão quanto a isso, pelo menos não depois de atingir a idade de 7anos, ele não precisava de pais, afinal ele tinha Reynoroth.
Porém quando Maldoroth tinha 9 anos fora subitamente acometido de uma doença grave. Ele não lembra qual doença, e não importa mais. Já o que seu irmão fez a segui, sim, foi importante.
Fora exatamente esse o ponto da mudança, quando o menino deixou de ser o menino.
Reynoroth em desespero para comprar medicamentos para seu irmão caçula, procurou agiotas locais. Seu irmão fora curado. Porém, Reynoroth não conseguiu juntar dinheiro para pagar os agiotas: típico.
Entendam que para um agiota, matar quem lhe deve não é bom para os negócios, já que mortos não pagam dívidas. Porém um exemplo tinha que ser dado de tempos em tempos para que o medo se tornasse a melhor arma dos agiotas. E infelizmente Reynoroth seria o próximo exemplo.
Poucos dias antes do 10º ano de Maldaroth, seu irmão foi morto e pela segunda vez ele estava órfão, e pela primeira vez, completamente só.
O assassino, Aphex Minahr, entrou na oficina de ferragem e foi direto para o quartinho dos fundos, onde dormiam Reynoroth e seu irmão. A morte se aproximou silenciosa.
Mas as pessoas tinham que saber porque o jovem aprendiz estava sendo punido; para ser um bom exemplo tinha que ser violento, barulhento. E foi.
A criança Maldaroth pula em Aphex, na tentativa de socorrer ser irmão, mas fora facilmente empurrado, batendo na parede. Uma estante fora derrubada sobre parte do corpo da criança, deixando-a imobilizada enquanto ouvia os gritos de seu irmão.
Maldaroth, chorando e amaldiçoando o assassino, erguendo o punho esquerdo, promete um dia matar o assassino com as próprias mãos. Então o assassino se aproxima de menino e pisando em seu antebraço perfura, com um único e rápido golpe, a sua mão esquerda. Em tom zombeteiro, o assassino pronuncia apenas duas palavras “Tente então.”
Maldaroth, o menino, morreu com seu irmão. Nasceu Maldaroth, o esquerdo. A jornada que transforma Maldaroth em “O Maldaroth” é importante; se ele teve ou não sua vingança, como fora seu treinamento com armas no exército de Nior, pelas instruções diretas do grande gerenal Biletron, mas estas estórias não serão contadas agora.
Mas saibam que a ferida na mão esquerda de Maldaroth sarou e cicatrizou, tornando sua marca. Maldaroth se tornou um GUERREIRO GUARDIÃO. Não se tornou um HEROI mundialmente famoso, como Kelsen, o invícto, ou Foulcault, o valente, nem bardos cantavam suas avenrutas na tavernas. Mas ele tinha seu reconhecimento, não era um total incógnito, derrotou o Orc Azul de Masnorras e também o terrivem Tirantus.
Sua fama ascendia nos círculos certos. Nobres contratavam seus serviços de proteção e guia quando viajavam. E assim logo o nome “Maldaroth, O Esquerdo” se tornaria um lenda, um mito, apenas sussurrados nos cantos escuros de todas a cidades por homens maus e perversos com medo de sua fúria, e temendo sua cimitarra.
Como foi dito acima: quiçá os deuses não o tivessem abandonado.
Quando estava em Azam, um pequeno vilarejo. Todo o povo fora atacado por um bruxo, Demon-Cafir. Todos foram mortos em um dia com o envenenamento da água.
Maldaroth lutou contra Demon-Cafir. No fim, venceu, porém foi gravemente enfeitiçado.
Sua força, suas habilidades desenvolvidas ao longo dos anos, seu poder, tudo foi reduzido. Maldaroth está mais fraco, mas seu coração continua forte.
Maldaroth acredita que terá todo seu poder de volta um dia, mas até esse dia chegar ele decidiu que não mais se aventuraria só, como de costume, sua iniciada fama atrairia vilões.
Foi então que decidiu se juntar a Aukan, O Barbaro (remanescente de Azam), e continuar sua jornada punindo os seres cruéis que vivem de matanças e que deixam órfãos por onde passam.

Maldaroth

Tumulto em Belaris DanielAlvesReis